sábado, 24 de agosto de 2013

Décimas cá do burgo


Quem te viu e quem te vê
 
Mote
 
Neste Alentejo esquecido
Só o Alqueva é exceção
Eu peço a Deus, como amigo
 Que nunca lhe falte o pão!
 
I
Quem te viu e quem te vê
Meu Alentejo adorado
Hoje está envergonhado
Não dá emprego a ninguém.
Alguns patrões vivem bem
À conta de subsídios
Os campos de cultivo
Estão devolutos e cercados.
Aqui só pastoreiam gados
Neste Alentejo esquecido.
 
II
Na indústria e agricultura
Já não há investimento
O comércio dá-lhe o vento
Se cai, ninguém o segura.
Alentejo dava fartura
Se alguém lhe deitasse a mão
Tem um solo de eleição
E um bom microclima.
Tem tudo para estar em cima.
Só o Alqueva é exceção.
 
III
Tem mão-de-obra qualificada
E boa gente para trabalhar
Se houvesse fábricas a laborar
Não precisava mais nada.
È uma região demarcada
De vinhedos sem paralelismo
Tem qualidade o turismo
E é nobre na cultura
Desenvolvimento na agricultura
Eu peço a Deus, como amigo.
 
IV
O seu pequeno progresso
Foi as estradas construídas
Ruas, jardins, avenidas
Tudo pago e, a bom preço.
O país em retrocesso
Convida á emigração
Diz o povo e tem razão.
Alentejo é impoluto
Pode até faltar conduto
 Que nunca lhe falte o pão!
 
José Chilra

 

Vícios são vícios
 
Mote
 Já me deixei de beber
Já me deixei de fumar
Agora passei a ter
Um só vício a sustentar
 
I
A minha bebida é água
E não dispenso o cafezinho
Todavia tenho a mágoa
E as saudades dum copinho.
Verde, maduro, sendo vinho
O que importa é o sabor
Cerveja, whisky, licor
São bebidas para esquecer.
Para respeitar o doutor
Já me deixei de beber.
 
II
Adegas e bons petiscos
Já risquei da minha agenda
Para não colocar em risco
A saúde, que é uma fenda.
Só em tabaco é uma renda
Para os pulmões um castigo
Este vício é um inimigo
Mas que teimo em abraçar
Amanhã quero ver se digo.
Já me deixei de fumar.
 
III
Já não vou ao futebol
Nem ligo ao computador
Já não danço o rock in rol
Nem canto o fado menor.
Só jogo cartas de amor
Sou crente em astrologia
Faço a minha poesia
Escolho um bom livro para ler.
Tempo para a fotografia
Agora passei a ter.
 
IV
Nos casinos e discotecas
Não entro para não pecar
Não quero sair em cuecas
Nesses seus jogos de azar.
Já ninguém me vê caçar
A pesca é uma mania
Viajar é uma utopia
Vou vivendo para amar
Eu tenho para minha Maria
Um só vício a sustentar.
 
José Chilra


 

Carta de uma mãe para o filho na França

 

Mote
 

Meu filho, vou-te conta
As notícias da nossa aldeia
Eu tenho que desabafar
Senão morro de apneia
 
I
Há um mês que ando doente
À rasquinha duma perna
O teu pai não sai da taberna
Só me cheira a aguardente.
A tua irmã disse à gente
Que se vai divorciar
Teu cunhado anda a falar
Que anda metida com outro.
Foi bem feito dar-lhe o troco
Meu filho, vou-te contar.

II
O teu tio Niquita Ranhó
Teve ontem um AV SEI
E por ter fugido à lei
Foi de cana o teu avô.
A tua tia mete dó
Anda triste e já vareia
Diz que a coisa está feia
Mas ainda se endireita.
Como vês são só maleitas
As notícias da nossa aldeia.

III
O Sapateiro bateu a bota
No baile de São João
Dizem que foi coração
Por brigar com o Zé da horta.
A tua noiva tão devota
Estava lá para contar
Toda a gente a viu dançar
Com o Chiquinho Entalado.
Meu filho, ao ver-te encornado
Eu tenho que desabafar.

IV
A nossa vizinha Maria
Teve um filho do Felisberto
 O teu sobrinho está tão esperto
Que até chama cabra á tia.
Chama vagina à Virgínia
À avó chama baleia
A tua irmã volta e meia
Dá-lhe uma orelhada a brincar.
Meu filho, vou terminar
Senão morro de apneia.



José Chilra
 
 
Caçadores de vistas largas

 
Mote
 
São humildes e honrados
Os caçadores da nossa praça
Eu digo que são tramados
 Mas só em dias de caça.
 
I
Ainda mal rompe o dia
E já no campo deserto
 Os fiéis de Santo Humberto
Vão testando a pontaria.
Caminham léguas diria
Pelos campos coutados.
Às vezes são apanhados
Fugindo às normas da lei.
Os caçadores cá da grei
São humildes e honrados.
 
 
II
Levam armas, munições
E carros superlotados
Levam negaças, furões
 Catanas, paus e machados.
Todos vão muito bem armados
Com imensos cães de caça.
Matam o bicho na tasca
Partilham o seu farnel.
Matam de forma cruel
Os caçadores da nossa praça.
 
III
Usam penas nos chapéus
Vão trajados a rigor
Quando exibem seus troféus
Dizem que são os melhores.
São vaidosos e impostores
A mentir são diplomados
Tem fama de fazer estragos
Dizem os donos das terras.
Os caçadores doutras guerras
Eu digo que são tramados.
 
 
 
.IV
Caçam lebres e perdizes
 E ainda umas galinholas,
Coelhos, tordos, rolas,
Pombos, Patos e codornizes.
Desde Pedreiros a juízes
Homens de todas as raças.
Trocam mimos e chalaças
Nesses caminhos cruzados.
Todos são divorciados
Mas só em dias de caça.
 
 
José Chilra
 
 
 


 

3 comentários:


  1. شركة التميز المثالي للخدمات المنزلية وتنظيف المنازل والشقق والفلل بالدمام والخبر والقطيف والجبيل
    قسم خاص لتسليك المجاري بالضغط ومكافحة الحشرات وتنظيف للمجالس والسجاد والموكيت وتنظيف الخزانات
    نقدم افضل الخدمات المنزلية بالمنطق الشرقية 0551844053

    شركة تسليك مجاري بالدمام
    شركة تنظيف منازل بالدمام
    شركة مكافحة حشرات بالدمام
    شركة تنظيف منازل بالجبيل
    شركة مكافحة حشرات بالجبيل
    شركة تنظيف سجاد بالجبيل
    شركة تسليك مجاري بالخبر
    شركة تنظيف منازل بالخبر
    شركة تركيب وصيانة الكهرباء بالدمام والخبر
    شركة المثالية للتنظيف بالجبيل

    ResponderEliminar